Total de visualizações de página

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Projeto “Mais Leite” renova propriedades


                                           Produtor Cláudio comemora a lavoura de milho para a silagem

Planejamento no campo com acompanhamento técnico, previsão de boa produção e a certeza de crescimento. Os cooperados que participam do projeto “Mais Leite” da Colagua mudaram completamente as atitudes no manejo, nutrição e genética. Não tinha como ser diferente, eles conseguiram ampliar a produção leiteira e aprender a gestão da propriedade. Atualmente, o projeto funciona por meio de parceria entre a cooperativa e cooperados, um financiamento importante em busca de qualidade e aumento de volume de leite na Colagua. 

 A zootecnista Valeska Ávila, atende 19 cooperados e na rotina de visita fica fácil entender como as mudanças foram positivas. “Em relação a evolução dos produtores, vem crescendo uns devagar outros mais rápidos, tudo de acordo com as questões financeiras e do empenho do produtor em se profissionalizar no setor. O produtor José Henrique, por exemplo, tirava 30 litros de leite por dia e hoje, está quase nos 200 litros. Posso citar também o cooperado Cláudio Cassiano, que quando começou conseguia uma produção de 60 litros e agora, chega a marca de 200 litros/dia. São exemplos de produtores que conseguiram mais que dobraram produção. Sentimos que eles começam a se abrir para novas ideias”, explica Valeska, que muitas vezes madruga nas propriedades assistidas para acompanhar de perto a primeira ordenha. 

Como o programa é gerido agora pela Colagua, a autonomia para muitas decisões fica entre produtor, o Presidente Burthon Moreira e o técnico. Com burocracia reduzida e facilidade de entrosamento entre todos envolvidos, a expectativa é que novos cooperados aceitem o desafio e entrem no projeto. A assistência técnica oferecida pela Colagua compreende veterinários, zootecnista e técnico agrônomo, todas as áreas necessárias para uma boa evolução animal e da propriedade. 

 Para o técnico e veterinário, Clério Soares Moulin, convencer o cooperado que é preciso acompanhar as programações não é tarefa fácil, mas garante que tem conseguido conquistar a confiança dos cooperados assistidos. “Eu faço uma programação de visita, em algumas propriedades o relacionamento virou mesmo de amizade, porque precisamos saber de todos os caminhos dados no trato da propriedade e planejar as mudanças, de olho na melhora de qualidade e produção. É gratificante presenciar a evolução dos cooperados”, finaliza Clério.

Pequeno pecuarista comemora a produção

Família que produz junta cresce também

Olhar o pasto verde, o gado nutrido e produzindo deixa o casal João Paulo Serafi m e Vanilda Moraes Damasceno, satisfeitos com todo o empenho para aumentar o volume do leite sem deixar de buscar a qualidade. A propriedade fi ca na localidade de Santa Terezinha, em Dores do Rio Preto, um ponto importante da bacia leiteira do Caparaó. O diferencial da família é que eles toparam o desafi o do projeto “Mais Leite” e há mais de um ano, recebem apoio técnico e todo o suporte da Colagua, houve uma intensa transformação no sítio garantindo a renda da família. 

“Há pouco mais de um ano temos assistência técnica, fi zemos roça de milho e também de cana. Consigo lembrar que antes da Colagua tinha apenas uma vaca, cheguei a enviar leite para outros laticínios, mas quando tive problema em um tanque foi à cooperativa que me ajudou. Desde então estamos juntos com a Colagua no caminho para alcançar mais crescimento”, destaca João Paulo.

                                        Parceria que deu certo: Técnico Clério com o produtor João Paulo

 O técnico Clério Soares que também é veterinário orienta a família há quase um ano, foram diversas planilhas, projetos e força de vontade para manter o trabalho em crescimento. Os dados provam que o esforço tem dado certo, no mês de agosto, oito vacas estavam em lactação, conseguindo tirar uma produção diária de 75 litros, o que representa 12,3 litros por vaca. O destaque é que o CCS está baixo e o UFF aceitável, o intervalo entre partos das vacas considerado modelo, com 14 meses de diferença.

 “O que me surpreendem bastante com o nosso trabalho é que João Paulo usa bastante a área. São 24 mil/litros por hectare ao ano, sendo que intensifi cado são 10 mil por hectares. Apenas cinco hectares estão na atividade leiteira. Estamos buscando agora, a instalação ampliada de cria e recria, além de consolidar os piquetes, que são 27. João está de parabéns, porque tem conseguido absorver nossas orientações e dar uma estabilidade a família”, afirma Clério. 

Piquetes que alimentam o gado e verdes devidos as chuvas

O exemplo de João Paulo demostra claramente que é possível produzir dentro dos conceitos da agricultura familiar. Além de receber o apoio da Colagua, o pecuarista também conseguiu apoio do programa de genética do Governo do Estado que atende alguns cooperados. “Nós trabalhamos juntos, participo ativamente de todos os processos na propriedade com o meu marido. Estamos satisfeitos com a produção”, finaliza Vanilda

Produtos Colagua tomam prateleiras de Cachoeiro

Funcionários reunidos durante uma degustação 

Novos mercados e a certeza de sempre: qualidade. A Colagua vem se firmando no crescimento dos produtos do mix da cooperativa, os consumidores de Cachoeiro de Itapemirim, maior cidade do Sul do Espírito Santo, estão encontrando os produtos em cerca de vinte estabelecimentos, entre supermercados e padarias. A recepção tem sido muito positiva, diversas demonstrações tem acontecido para apresentar de fato a qualidade dos produtos. 

Para o Igor de Aguiar Aragão, representante Colagua, a novidade tem atraído novos clientes e os antigos, que sentiam muita falta de reencontrar os produtos nas prateleiras. “Estamos com esse trabalho diferenciado e sempre fazemos as degustações, simplesmente para deixar o cliente a vontade e sentir a qualidade dos produtos. A Expectativa é que consigamos ampliar nosso atendimento em outros pontos”, destaca o representante. 

                                      Consumidores de Cachoeiro de Itapemirim aprovaram a novidade

A consolidação de novos pontos de venda tem acontecido na Grande Vitória e agora em diversas cidades do Sul Capixaba, levando ao consumidor os produtos do Caparaó Capixaba e o empenho de cada cooperado que trabalha dia e noite fornecendo leite para a Colagua. “Fico satisfeito quando o consumidor destaca que nossa qualidade é excepcional. É para isso que trabalhamos na cooperativa”, finaliza Igor.

domingo, 13 de novembro de 2016

Cooperado é exemplo de pequeno produtor


                                         Visita da equipe Colagua ao cooperado para a produção de matéria  

Mais um cooperado foi visitado pela equipe Colagua para ser exemplo de produção. João Paulo Serafim e a esposa, Vanilda Moraes Damasceno vivem o dia a dia na produção de leite e no plantio do café na localidade de Santa Terezinha, em Dores do Rio Preto. Depois do acompanhamento do projeto "Mais Leite" financiado pela cooperativa e também pelos próprios produtores, a realidade mudou muito na pequena localidade. O técnico agrícola e veterinário, Clério Soares acompanha de perto as mudanças no sítio há mais de um ano. No próximo Informe Colagua, vamos contar toda essa história. Aguardem!
                                            Pasto verde e definido para melhorar a nutrição animal

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Informe Colagua no rádio


As notícias do campo agora de segunda a sexta-feira pela sintonia da 90.5 fm, através do Informe Colagua que depois da versão impressa, passa também a atingir o público de toda região através da rádio de Guaçuí. A proposta é levar para os cooperados informações de produção, nutrição, genética, manejo e saúde do animal. Além dessa prestação de serviço, a cooperativa quer mostrar para toda a comunidade, a importância do funcionamento da instituição, do ponto de vista social e econômico para todo o Caparaó.

O ouvinte do “FM Rural” sob o comando de Patrício Almeida, que gosta de começar o dia ouvindo belas músicas sertanejas, vai também ficar atualizado com as informações do meio rural logo cedo, acompanhando dicas e aprendendo as novidades. Toda a produção de notícias será feita pela jornalista e assessora da Colagua, Andresa Alcoforado, que vai contar com o apoio de cooperados, técnicos capacitados e funcionários da cooperativa. A equipe Colagua vai trabalhar junta em busca do leite de qualidade, produtos de primeira e muitas informações. Sugestões são sempre bem vindas, basta mandar um email para o endereço: informecolagua@gmail.com. Somos Colagua! Vem ser Colagua também! 

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Cooperados se destacam em concurso leiteiro


A 58° Expoagro de Guaçuí teve como ponto alto as ações para o homem do campo, na programação o Concurso Leiteiro e o Julgamento de Bezerras, tiveram grande participação de cooperados, principalmente ganhadores o que prova a importância do trabalho com boa genética, manejo e nutrição. Ao todo a Prefeitura de Guaçuí, disponibilizou R$ 12.600 para os ganhadores, valor que foi dividido entre categorias. O evento aconteceu entre os dias 23 e 25 de setembro. 


CONFIRA OS GANHADORES

   CATEGORIA 25kG

1° Vaca Tangerina-  Leonardo Couzi  
2° Vaca Arlete- Luciana Cristhovão 
3° Vaca Madalena- Argeu Assis
4° Vaca Jarrinha- Fabrico Riva 
5° Vaca Revista- Evandro Ferreira


   CATEGORIA 35 kG  
1° Vaca Sabrina- Felipe Andrade 
2° Vaca Londrina- Maria do Carmo 
3° Vaca Bernadete- Leonardo Soroldoni 
4° Vaca Barrosa- Pedro Elias 
5° Vaca Crioula- Eliseu Protásio

JULGAMENTO DE BEZERRAS

   CATEGORIA 1/2 

1° Pantera 084-  Alessandro Mendonça Vargas
2° Pandora 1201- Leonardo Soroldoni
3° Estrela 8657- Raulinos Gonçalves

   CATEGORIA 1/4 

1° Paulista 061- Leonardo A. R. Moreira 
2° Rubi 001- Márcio Rangel Borges 
3° Even 50- Isaias Lobato de Souza

Chuva para deixar verde o pasto

                                                    Chuvas mudam a paisagem na zona rural

Depois de meses seguidos de seca intensa em todo o Espírito Santo, o Sul também sentiu as dificuldades do plantio sem água, mas no fim de setembro e  nos primeiro dias de outubro, a chuva mudou a paisagem na zona rural. De acordo com a meteorologia, choveu 90 mm somente no mês de setembro, bom momento para investir em plantios para a nutrição do animal. 
Segundo a zootecnista, Valesca Ávila, técnica do programa “Mais Leite”, esse é o momento de preparar a reserva e a suplementação  de comida para a época da seca e de formar pastagens. “ É o momento que o produtor tem que estar atendo as recomendações necessárias de adubação, de acordo com a análise de solo e o de tipo de cultura a ser plantada. 
Por isso, o planejamento é importante, o produtor tem que se organizar como fazer a análise de solo com antecedência. Medidas como ter um calendário bem definido para plantio, calcular a necessidade desses insumos, adquiri -los e aplicá-los de tal forma são necessários. Depois disso, verificar a quantidade de área  necessária plantada referente ao número de animais e a escolha das culturas. O momento adequado do plantio para que venha à atender  quantitativamente e qualitativamente a oferta  de suplementação”, destaca Valesca.